O Eucalipto

O eucalipto é originário da Austrália, mas se adaptou muito bem ao clima tropical-temperado brasileiro. Atinge a fase adulta três vezes mais rápido que árvores nativas tupiniquins, diferença que permite plantios de eucalipto para diversos fins. Por ser um recurso natural renovável, contribui com a preservação do meio-ambiente. E quando tratado torna-se uma solução moderna, econômica e correta de substituir com vantagens as madeiras nativas nobres. Além de tudo diminui a pressão sobre as nossas florestas e reservas naturais. O eucalipto é usado na fabricação de móveis, portas, armações, postes, dormentes, aplicação rural, construção civil ou como matéria-prima para produção de papel e celulose, chapas e aglomerados, tintas, resinas e pigmentos. Por estes e outros motivos, o eucalipto cada vez mais se consagra como alternativa real para atender demandas da sociedade ao consumo de produtos florestais.

Dentre as mais de 600 espécies de eucalipto que existe, a Citriodora fornece a espécie Cloeziana, que possui as melhores características físicas, como retidão, alta densidade e resistência mecânica. 

Entenda as principais diferenças entre a Cloeziana e outras espécies: 

  • Cloeziana – Eucalipto de coloração parda, com densidade de 800 kg/m³, considerada alta. Aplicações: Postes, cercas, escoras, vigas, estruturas.  
  • Citriodora – Eucalipto de coloração branco – amarelado, com densidade de 1.040 kg/m³, considerada alta. Aplicações: Dormentes, cruzetas, tacos, postes. 
  • Saligna – Eucalipto de coloração avermelhada, com densidade de 690 kg/m³, considerada média. Aplicações: móveis, laminação, caixotaria, celulose e carvão. 
  • Grandis – Eucalipto de coloração bege-rosado, com densidade de 500 kg/m³, considerada baixa. Aplicações: Serraria, ripas, rodapés, forros, celulose e papel.

Fonte: IPT e IPEF

 

 O Tratamento 

O tratamento consiste em saturar as madeiras com sais solúveis em água, tornando a madeira imunizada, ou seja, resistente a fungos, cupins, umidade e outros agentes de deterioração. O produto químico utilizado é o CCA – Osmose K33 C (Cobre, Cromo e Arsênio), onde o cobre tem a função fungicida, o arsênio função inseticida e o cromo ação fixadora. O processo é feito na Autoclave, um cilindro de aço fabricado para suportar pressões elevadas. Apesar da alta tecnologia empregada no tratamento do eucalipto, o processo todo é simples.

Veja só: